Praticagem contorna falta de profundidade no Porto de Santos

Praticagem contorna falta de profundidade no Porto de Santos

Foi um feito notável a Praticagem de Santos ter possibilitado, no dia 1º de agosto último, a entrada do navio MSC Ajaccio, de bandeira Malta, de 14,45 metros de calado, o maior da centenária história do Porto de Santos (SP). Trata-se de importante inovação à navegação em portos, com a utilização do Redraft (sistema de calado dinâmico, com tecnologia nacional e que determina o calado máximo considerando as condições ambientais, segundo as mais exigentes regulamentações internacionais). O navio navegou com segurança até ao final do canal estuário para atracar no terminal da Brasil Terminal Portuário (BTP).

Esse fato revela duas realidades que afetam sobremaneira a produtividade e, por consequência, a competitividade do cais santista. Primeiro, o papel competente e estratégico da Praticagem para alinhar a navegação com os seus principais similares do mundo. Segundo, o papel meramente festivo da Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp), a autoridade portuária local, tentando celebrar o feito como obra sua, sem ter qualquer mérito e nem conseguir superar com dragagem o problema da falta de profundidade adequada à navegação.

A tecnologia de dragagem dos portos brasileiros, em especial a de Santos, necessita de uma revisão profunda para deixar de ser, como consequência de ações politicas indesejáveis, um gargalo ao progresso. Manter as profundidades, com menor custo possível, é condição à navegação de navios de maior porte e à prática de fretes mais baratos que habilitem o Brasil competir no novo cenário do comércio mundial.

Todavia, fato recente ocorrido no complexo portuário de Santos concorre para prejudicar a vantagem comparativa da logística portuária do Porto. A dúvida se os valores pagos pela dragagem correspondem aos volumes efetivamente dragados prejudica o controle dos seus custos. Portogente indagou sobre o absurdo pagamento, mas não obteve resposta da Codesp e do Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil (MTPA).

A falta de transparência fere a legislação brasileira e fragiliza a já combalida confiança que devem ter as autoridades públicas e os órgãos de controle em qualquer tipo de processo de investimentos com dinheiro público. A única solução é que tal situação seja devida e corretamente apurada para que seja feita justiça.

Nesse cenário de obscuridades fica bem improvável que o Porto de Santos promova competência essencial para ser o hub port na costa leste da América do Sul, a exemplo do que vem acontecendo em Suape.

Quem vive, estuda e tem compromisso com o mundo portuário, logístico e com o País sabe que a velocidade na Codesp é muito inferior à velocidade do mundo. Sobretudo, porque tecnologia, navegação e comércio não toleram desaforo.

Fonte: Portogente

 

Deixe seu Comentário

O seu endereço de email não será publicado.Campos obrigatórios são marcados *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*